Projeto inova em Tecnologia da Informação e multiplica o acesso ao SUS de Guaíra

A Tecnologia da Informação (TI) está a serviço da saúde da população de Guaíra. Devido ao projeto Saúde Digital, a cidade viu crescer exponencialmente o número de atendimentos aos moradores que utilizam o Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto aumentou a rapidez dos atendimentos, reduziu filas e criou um banco com informações precisas e em rede sobre cada paciente cadastrado.

Esses avanços foram possíveis, pois houve padronização dos equipamentos e dos cadastros, por meio do cartão cidadão e da rede lógica em todas as Unidades de Saúde do município. Dessa maneira, pôde-se agilizar o fluxo e a correta gestão das demandas e, principalmente, equalizar os atendimentos, evitando esforços específicos para a parcela da população que mais necessita desses serviços.

O projeto foi orçado em cerca de R$ 1 milhão com investimentos divididos em quatro anos, de 2014 até 2017. Os recursos são provenientes de emendas parlamentares, de royalties de Itaipu, do Programa Saúde do Viajante e de repasses do Ministério da Saúde (MS).

Unidades com tecnologia de ponta

As 14 Unidades de Saúde da cidade foram contempladas e equipadas com prontuário eletrônico, software de radiografia digital, computadores e impressoras de qualidade, Wi-Fi, tablets, webcams, impressoras de cartão PVC, leitor biométrico e acesso ao GeoPortal. Assim, receitas, encaminhamentos, dados sobre consultas e recomendações médicas deixam de ser manuais e permanecem arquivadas digitalmente, minimizando a probabilidade de extravios.

Os cadastros tornaram-se prontuários confiáveis, coesos e detalhados, com dados de todos os atendimentos, sejam eles de agentes comunitários, médicos, enfermeiros ou psicólogos. O sistema desenvolvido também acessa em tempo real os exames solicitados e realizados com seus resultados para que o diagnóstico seja o mais correto e rápido possível.

A adesão ao cartão cidadão produziu base de informações valiosa para a Secretaria de Saúde, como o número do cartão SUS. Essa base deve ser transmitida para sistemas federais e estaduais, como o Sistema de Informação Ambulatorial (SIA/SUS), o e-SUS Atenção Básica (e-SUS AB), o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), o Registro das Ações Ambulatoriais de Saúde (RAAS), o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI), entre outros.

Com o uso do software de radiografia digital, além de maior precisão do diagnóstico pela qualidade da imagem fornecida, as impressões dos exames não são mais necessárias, apenas em casos de consultas fora do município.

Milagre da multiplicação

Com a modernização do Saúde Digital, os serviços foram ampliados significativamente: em relação ao mesmo período antes da inserção do projeto, houve um aumento de 49.136 consultas, 81.579 solicitações de exames, 88.230 visitas domiciliares, 21.882 vacinas e 264.310 procedimentos.

Em 2014, as visitas dos agentes comunitários cresceram de forma intensa, passando de 113 para 88.343 visitas e de 189 pacientes acompanhados para 22.392, em 2017.

Atendimento inteligente e digital, menos filas

Com a identificação e acompanhamento dos pacientes mais necessitados, o resultado é uma fila de espera sistematizada, organizada e transparente para procedimentos ou consultas especializadas, tornando o atendimento mais justo e rápido.

Além disso, outra meta do projeto já foi alcançada: a implementação do Portal Saúde. No site, o paciente, munido de seu protocolo, pode acompanhar sua posição na fila de espera e ver a demanda por consultas ou procedimentos. É possível também checar a disponibilidade de medicamentos na farmácia municipal, tornando a gestão mais dinâmica, transparente e correta com o contribuinte.

Fonte: PGP-PR

Relacionados